terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Vereador Pedrinho ADL e conselheiro tutelar Arnaldo Feijó são suspeitos de fraude em adoção de criança em Barra do Piraí



No dia 05 de dezembro de 2012 a senhora XXXXXXX XXXXXX XXXXXXXXX procurou o Centro de Referência Especializado da Assistência Social de Barra do Piraí (CREAS/BP) para pedir seu filho de volta, XXXXXX XXXXXXXX, nascido em 28 de novembro de 2012 no município. Segundo relatos de XXXXX, após uma desavença com o suposto pai de primeiro nome Alecsando, que exigiu exame de dna para registrar a criança em seu nome, ela procurou o conselheiro tutelar Arnaldo Feijó, que pediu que ela comparecesse a sede do Conselho Tutelar de Barra do Piraí. Na sede e em companhia do conselheiro Feijó, a mãe conta que um telefonema para o vereador Pedro Fernando de Souza Alves, o Pedrinho ADL (PRB), a levou até a Câmara de Vereadores. No gabinete de Pedrinho ADL a mãe XXXXXXX ficou sabendo que ele já possuía um casal para adotar a criança, Rosilene e Joaquim Carlos, que residem em Santa Rita de Jacutinga (MG). Segundo consta nos relatos ao CREAS/BP, o vereador Pedrinho ADL e uma assessora de nome Cláudia, teriam instruído a mãe da criança a escrever e assinar uma declaração manifestando o interesse em entregar seu filho para a adoção do casal.
XXXXXXXX contou que seu filho tinha sido levado para Santa Rita de Jacutinha no dia anterior (04 de dezembro), sem que ela soubesse o endereço do casal. Indagada se houve pagamento pela adoção, a mãe disse que não, apesar de ter recebido R$ 30 do vereador Pedrinho ADL para comprar uma cinta que necessitava por recomendação médica.

A COMUNICAÇÃO DA MÃE AO CREAS



Em 19 de dezembro o Conselho Tutelar de Barra do Piraí fez reunião para avaliar a questão que já tinha sido levada ao Ministério Público pela mãe da criança no dia 12 de dezembro. Segundo relatado na ata de reunião, o conselheiro Feijó ficou surpreso e disse que desconhecia a gravidade do assunto, pedindo desculpas revelou que não comentou com ninguém do conselho sobre o assunto e que não tinha a intenção de prejudicar ninguém.
Os conselheiros enviaram ofícios ao MP, Câmara de Vereadores e Secretaria Municipal de Assistência Social informando a gravidade da conduta que afastava imediatamente o conselheiro Feijó do cargo.
Na apuração o conselheiro Feijó disse que após deixar a mãe no gabinete do vereador Pedrinho ADL não teve mais contato com ela e que estava ciente de que tinha agido de forma errada, já que sua obrigação funcional seria encaminhar a mãe e a criança para a Justiça da Infância e da Juventude de Barra do Piraí.
Na decisão de afastar o conselheiro Feijó o presidente do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (CMDCA) revelou que o vereador Pedrinho ADL já esteve envolvido em suposta fraude no sistema de adoção e que a criança desse outro caso encontra-se ainda acolhida na Casa da Juventude em Barra do Piraí.
Estatuto da Criança e do Adolescente – Artigo 13 – As gestantes ou mães que manifestem interesse em entregar seus filhos para adoção, serão obrigatoriamente encaminhadas a Justiça da Infância e da Juventude.
A Câmara de Vereadores já tem muito trabalho após sua instalação. Abrir um processo para apurar o caso e se confirmado cassar o mandato do vereador Pedrinho ADL, o mais votado em outubro do ano passado.
É muito mais que uma vergonha. É um crime contra o povo brasileiro!

Como o conselheiro tutelar Arnaldo Feijó confirmou em depoimento sua participação, foi desnecessário ouvi-lo. Já o vereador Pedrinho ADL não atendeu minhas ligações  e eu deixei mensagem em sua caixa de entrada do telefone celular.

Todos os citados podem e devem se manifestar no Blog do Jeff Castro se assim acharem necessário.

OS DOCUMENTOS CONSEGUIDOS COM EXCLUSIVIDADE PELO BLOG DO JEFF CASTRO

















7 comentários:

  1. Sem palavras. Está tudo ai para quem quiser ver. Apenas um pedido: nos manter informados(as) das providências que serão tomadas pela Câmara Municipal de Barra do Piraí. O caminho está mais do que claro. Resta saber se será seguido.

    ResponderExcluir
  2. Que saudade de Ester Figueiredo e Tê Vila Verde. Essas sim, ganhando menos que um salário mínimo, mostravam a força do Conselho Tutelar, com lisura e determinação. Há tempos que este órgão perdeu a competência. Infelizmente, tende a ser pior, uma vez que virou um cargo político, quase um trampolim para as eleições.

    ResponderExcluir
  3. Isso é realmente inacreditável!

    ResponderExcluir
  4. EM VALENÇA-RJ, CIDADE VIZINHA, UM CONSELHEIRO TAMBÉM ESTA AFASTADO. OUTRA BOA MATÉRIA PARA O BLOG.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário