sábado, 5 de abril de 2014

CARGA HORÁRIA EXCESSIVA, FALHA EM PROCEDIMENTO, AUMENTO DOS LUCROS E DESPREZO PELA VIDA SÃO AS CAUSAS DO ACIDENTE DA MRS LOGÍSTICA S/A NA SERRA DE ARANTINA

Assustadora a verdade sobre o acidente com a composição da MRS Logística S/A na Serra da Arantina, no Túnel dos Cabritos, na linha férrea ramal Minas Gerais, que corta o município de Arantina.

Duas locomotivas à frente de uma composição com 131 vagões carregados com minério de ferro, pesando, aproximadamente, 12 mil toneladas. Atrás, uma locomotiva que auxilia na condução da carga e é controlada pelo maquinista responsável pela composição que transporta o minério de ferro de Águas Claras, Minas Gerais, para a Ilha de Guaíba, na Costa Verde fluminense, passando por Barra do Piraí.

Após passar pelo Túnel dos Cabritos o maquinista cumpriu o procedimento da empresa parando a composição no semáforo vermelho para efetuar a manobra chamada locotrol. Esta manobra consiste em retirar ou acoplar locomotivas para a condução adequada na descida da serra sentido Volta Redonda.

Então o maquinista prosseguiu o procedimento determinado pela MRS Logística, que era:
Desengatar as duas locomotivas da composição com 131 vagões mais a locomotiva da traseira, seguir até o pátio na cidade de Bom Jardim para buscar mais duas locomotivas que auxiliariam na descida da Serra de Arantina.

Antes de desengatar as duas locomotivas da dianteira o maquinista configurou por controle remoto a condição de “espera” no computador de bordo da locomotiva da traseira. Esta condição de “espera” consiste em enviar para a locomotiva da traseira, que permanece engatada aos 131 vagões, um sinal via satélite que aciona o sistema para controlar os freios e manter a força motora necessária para paralisar toda a composição até que o maquinista retorne com quatro locomotivas de Bom Jardim para finalizar a manobra e descer a serra com segurança.

Dentro do túnel dos cabritos existem fibras óticas que transmitem os sinais via satélite, só, que, devido às chamadas zonas mortas, o sinal transmitido corretamente pelo maquinista para deixar a composição parada naquele local não foi recebido pelo computador de bordo da locomotiva controlada remotamente.

Sem condutor a locomotiva e os 131 vagões carregados com minério de ferro começaram a descer a Serra de Arantina aumentando gradativamente a velocidade.

Uma segunda composição formada por duas locomotivas e mais 134 vagões carregados de minério de ferro, que era conduzida também por somente um maquinista, manobrava no trecho para repetir o mesmo procedimento chamado locotrol.

Uma terceira composição também com um maquinista no comando de uma locomotiva e 134 vagões aguardava o mesmo procedimento com a finalidade descer a Serra de Arantina.

Com exclusividade ouçam abaixo o desespero no Centro de Controle Operacional da MRS Logística na cidade de Juiz de Fora, onde os operadores conversam com os maquinistas das três composições sobre o iminente acidente que aconteceria na descida da Serra de Arantina. Percebam que a preocupação com as locomotivas superou a preocupação com a vida dos maquinistas após a colisão que derramou grande quantidade de óleo diesel e minério de ferro na natureza.


No áudio exclusivo do Blog do Jeff Castro é possível ouvir quando o maquinista da terceira composição avisa que vai pular do trem em movimento e em rota de colisão com a composição desgovernada. Pode-se ouvir também o maquinista que fez a manobra locotrol no semáforo próximo ao túnel dos Cabritos dizer: “se tivesse com o procedimento antigo de recuar pra fora e parar nada disso tinha acontecido, já estava escrito que isso ia acontecer”.

O que seria este "recuar pra fora" no áudio do maquinista?

O antigo procedimento retirava a composição inteira do túnel dos Cabritos para realizar a manobra locotrol.

ATUALIZANDO COM POSTAGEM DE VÍDEO - 09/04/2014 - 23:32

Cópia de segurança feita porque eu suspeitava que o autor do post sobre o acidente no YouTube iria apagar o vídeo de seu mural. A qualidade do vídeo não é boa mas serve para garantir a matéria publicada no Blog do Jeff Castro.




CARGA HORÁRIA EXCESSIVA, FALHA EM PROCEDIMENTO, AUMENTO DOS LUCROS E DESPREZO PELA VIDA COMO PRINCIPAIS CAUSAS DO ACIDENTE NA SERRA DE ARANTINA

Vamos à rotina do maquinista condutor da composição que provocou o acidente.

No dia 1 de abril ele se apresentou por volta das 6 horas no pátio de Bom Jardim (MG). Passou pelo procedimento do bafômetro e ficou cerca de 3 horas aguardando uma composição para cumprir 9 horas de trabalho até o pátio P2-14, onde um veículo da Vix Locadora, empresa terceirizada pela MRS, o levou até Volta Redonda, cerca de uma hora de viagem.

Às 19 horas, o maquinista, que tinha cumprido 13 horas de trabalho, seguiu para um hotel  na avenida Amaral Peixoto, em Volta Redonda.

Na manhã seguinte o maquinista se apresentou às 5 horas, dia 2 de abril, no pátio da MRS na cidade do aço para conduzir uma locomotiva com 76 vagões com cargas diversas até a cidade de Barbacena (MG).

Por volta das 16 horas o maquinista chegou em Barbacena e foi levado por um veículo da Vix até a cidade de Bom Jardim, chegando às 17h30 em sua residência.

No dia 3 o maquinista se apresentou novamente as 8h30 para conduzir a composição que provocou o acidente na Serra de Arantina por volta de 14 horas.

Se já não bastasse o absurdo da monocondução - segundo a MRS Logística S/A a monocondução é garantida pelo chamado “homem morto”, botão que tem que ser acionado de um minuto e trinta segundos em um minuto e trinta segundos pelo maquinista -  fatores como a carga horária excessiva e a falha no procedimento locotrol  com a clara finalidade de acelerar o tráfego de cargas, explorando ao máximo os maquinistas para diminuir o tempo nos intervalos das composições aumentando astronomicamente os ganhos, são, aos meus olhos, as razões da composição desgovernada na Serra de Arantina.

Como Barra do Piraí é cortada pela linha férrea e é também “bombardeada” pelas notícias sobre a redução do tempo entre as composições de carga que cortam a cidade, fica para nós cidadãos barrenses o grande alerta.

Há cerca de 15 dias uma outra falha em sistema da MRS Logística S/A, conhecido como CBTC, travou o sistema paralisando uma composição na passagem de nível da Rua Aureliano Garcia, em Barra do Piraí.

Que os promotores do Ministério Público de Direitos Difusos e do Trabalho adotem providências porque a MRS Logística S/A está tentando abafar o caso Serra de Arantina, fato, que não acontecerá, pois, graças a minha credibilidade junto a população e aos funcionários da empresa, ele chegou até aqui.

Vejam as fotografias do acidente









terça-feira, 29 de outubro de 2013

A UNE SOMOS NÓS, NOSSA FORÇA E NOSSA... o que mesmo?


Na tarde chuvosa de junho de 1980 eu estava nesta cena na Praia do Flamengo com um amigo e uma namorada argentina para participar da manifestação contra a demolição da sede cor-de-rosa da União Nacional dos Estudantes (UNE), que tinha sido determinada pelo então presidente João Batista de Figueiredo.
A cena foi à mesma que hoje se repete. A Polícia Militar distribuindo cacetadas, bombas de efeito moral e como ainda não haviam inventado as balas de borracha, um caminhão esguichava água suja sobre os manifestantes.
Se vocês repararem bem na foto reproduzida verão o muro da Praia do Flamengo que serviu como escudo para o Jeff, sua namorada Gabriela e amigo Bira. Dali nós corremos pela praia até a altura da Glória, onde atravessamos as pistas evitando o Monumento dos Pracinhas e seguimos para o meu “aparelho” na Rua Augusto Severo, na Lapa, onde ficamos observando o movimento da cavalaria, que seguia em direção ao local da manifestação.
Para minha tristeza a mesma UNE recebeu recentemente do governo federal a quantia de R$ 44,6 milhões para reconstruir sua sede no Rio de janeiro e não mais se manifestar em favor das causas estudantis e do povo brasileiro. Em agosto daquele mesmo ano a UNE se posicionou firmemente contra a bomba na OAB/RJ, que matou a secretária Dona Lida, e quase um ano depois, no primeiro de maio de 1981, contra o atentado no Rio-Centro.
Mas, o que eu poderia esperar se o presidente da UNE à época era nosso bravo comunista Aldo Rebelo, hoje ministro dos Esportes?
A única coisa que valeu de verdade foi ter conhecido Gabriela naquela tarde, me apaixonei pelo seu sotaque portenho.



terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Vereador Pedrinho ADL e conselheiro tutelar Arnaldo Feijó são suspeitos de fraude em adoção de criança em Barra do Piraí



No dia 05 de dezembro de 2012 a senhora XXXXXXX XXXXXX XXXXXXXXX procurou o Centro de Referência Especializado da Assistência Social de Barra do Piraí (CREAS/BP) para pedir seu filho de volta, XXXXXX XXXXXXXX, nascido em 28 de novembro de 2012 no município. Segundo relatos de XXXXX, após uma desavença com o suposto pai de primeiro nome Alecsando, que exigiu exame de dna para registrar a criança em seu nome, ela procurou o conselheiro tutelar Arnaldo Feijó, que pediu que ela comparecesse a sede do Conselho Tutelar de Barra do Piraí. Na sede e em companhia do conselheiro Feijó, a mãe conta que um telefonema para o vereador Pedro Fernando de Souza Alves, o Pedrinho ADL (PRB), a levou até a Câmara de Vereadores. No gabinete de Pedrinho ADL a mãe XXXXXXX ficou sabendo que ele já possuía um casal para adotar a criança, Rosilene e Joaquim Carlos, que residem em Santa Rita de Jacutinga (MG). Segundo consta nos relatos ao CREAS/BP, o vereador Pedrinho ADL e uma assessora de nome Cláudia, teriam instruído a mãe da criança a escrever e assinar uma declaração manifestando o interesse em entregar seu filho para a adoção do casal.
XXXXXXXX contou que seu filho tinha sido levado para Santa Rita de Jacutinha no dia anterior (04 de dezembro), sem que ela soubesse o endereço do casal. Indagada se houve pagamento pela adoção, a mãe disse que não, apesar de ter recebido R$ 30 do vereador Pedrinho ADL para comprar uma cinta que necessitava por recomendação médica.

A COMUNICAÇÃO DA MÃE AO CREAS



Em 19 de dezembro o Conselho Tutelar de Barra do Piraí fez reunião para avaliar a questão que já tinha sido levada ao Ministério Público pela mãe da criança no dia 12 de dezembro. Segundo relatado na ata de reunião, o conselheiro Feijó ficou surpreso e disse que desconhecia a gravidade do assunto, pedindo desculpas revelou que não comentou com ninguém do conselho sobre o assunto e que não tinha a intenção de prejudicar ninguém.
Os conselheiros enviaram ofícios ao MP, Câmara de Vereadores e Secretaria Municipal de Assistência Social informando a gravidade da conduta que afastava imediatamente o conselheiro Feijó do cargo.
Na apuração o conselheiro Feijó disse que após deixar a mãe no gabinete do vereador Pedrinho ADL não teve mais contato com ela e que estava ciente de que tinha agido de forma errada, já que sua obrigação funcional seria encaminhar a mãe e a criança para a Justiça da Infância e da Juventude de Barra do Piraí.
Na decisão de afastar o conselheiro Feijó o presidente do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (CMDCA) revelou que o vereador Pedrinho ADL já esteve envolvido em suposta fraude no sistema de adoção e que a criança desse outro caso encontra-se ainda acolhida na Casa da Juventude em Barra do Piraí.
Estatuto da Criança e do Adolescente – Artigo 13 – As gestantes ou mães que manifestem interesse em entregar seus filhos para adoção, serão obrigatoriamente encaminhadas a Justiça da Infância e da Juventude.
A Câmara de Vereadores já tem muito trabalho após sua instalação. Abrir um processo para apurar o caso e se confirmado cassar o mandato do vereador Pedrinho ADL, o mais votado em outubro do ano passado.
É muito mais que uma vergonha. É um crime contra o povo brasileiro!

Como o conselheiro tutelar Arnaldo Feijó confirmou em depoimento sua participação, foi desnecessário ouvi-lo. Já o vereador Pedrinho ADL não atendeu minhas ligações  e eu deixei mensagem em sua caixa de entrada do telefone celular.

Todos os citados podem e devem se manifestar no Blog do Jeff Castro se assim acharem necessário.

OS DOCUMENTOS CONSEGUIDOS COM EXCLUSIVIDADE PELO BLOG DO JEFF CASTRO